> > > Edifício Palazzo Ducale

Edifício Palazzo Ducale

Edifício Palazzo Ducale
A vista foi explorada ao máximo, graças ao trabalho de caixilharia, que se integra totalmente à varanda curva executada em balanço. O guarda-corpo de cada varanda é feito de réguas de alumínio, com perfis retangulares, curvadas seguindo o movimento do con Foto/Imagem:Divulgação

Exclusividade em detalhes

A vista eterna para o parque do Ibirapuera e da região dos Jardins, em São Paulo, trouxe uma demanda óbvia para o projeto: explorar a paisagem privilegiada e a localização mais cara da cidade. Como o terreno era o último da rua, jamais haveria chances de surgir uma construção predial depois dele, que impedisse a visão idílica a partir de suas varandas.

O lote foi, dessa forma, considerado pelos arquitetos do escritório Arqdonini, uma verdadeira ‘vitrine’, pois não havia nenhum entrave de solo e seus quatro lados eram favorecidos, o que tornaria as fachadas muito visíveis. A própria disposição gerou determinações inclusive estruturais, para que a varanda pudesse ser mais valorizada. A base, porém, é convencional: foram usados tubulões e estaqueamento.

A varanda

A proposta dos arquitetos Marco Donini e Francisco Zelesnikar era deixar em balanço os balcões dos A caixilharia foi um item fundamental para assegurar a maior transparência da paisagem para os ambientes, principalmente, o imenso conjunto de vidro que se abre a partir do canto da sala Marco Donini terraços, sem que houvesse vigas de bordo. Portanto, as varandas seriam estruturadas em lajes maciças.

A ausência de vigas evidencia o desenho leve e contemporâneo desses ambientes, que cumprem um traçado curvo. “Uma viga de bordo deixaria esse desenho pesado demais”, considera Donini. A solução tem, ainda, efeito estratégico: traz sombreamento para o apartamento durante todo o dia, conforme o percurso e a altura do sol. Essa ousadia estrutural também agrega outras funções: “Os vãos mais generosos entre pilares, além de garantir vista mais aberta nas áreas sociais, deixaram as garagens muito mais confortáveis, uma necessidade em um condomínio tão exclusivo”, pondera Zelesnikar.

Estilo

A dupla buscou explicitar no volume do edifício uma arquitetura bastante contemporânea, evidente desde a fachada – mas sem comprometer a otimização do layout da varanda. Além da proteção arrojada, o terraço, ponto de atenção dos apartamentos, ganhou acabamentos especiais.

Mármore travertino foi definido para o piso e um mosaico de pastilhas transparentes, desenvolvido especialmente a pedido dos profissionais, ajuda a dar destaque. Esse, aliás, foi o principal diferencial, segundo o Arqdonini – um revestimento ideal para melhor revestir a volumetria. Algo perene, que não se desgastasse como a pintura, combinasse com os panos curvos e ainda refletisse com brilho a iluminação natural. “A caixilharia foi um item fundamental para assegurar a maior transparência da paisagem para os ambientes, principalmente, o imenso conjunto de vidro que se abre a partir do canto da sala. O ganho térmico se deu pelo estudo de sombreamento gerado pela grande varanda, protegendo do poente todas as salas”, diz Marco Donini.

Isso garantiu, ainda, a diminuição de carga de ar-condicionado: o sistema de ar de cada unidade foi projetado central, atendendo a todos os ambientes de permanência, com dutos e equipamentos devidamente acomodados de modo invisível, interna e externamente.


Escritório

Arqdonini Arquitetos Associados17 projeto(s)

Local: SP, Brasil
Início do projeto: 1997
Conclusão da obra: 2001
Área do terreno: 1.158.00
Área construída: 7.501.00

Tipo de obra:
Edifícios Residenciais
Tipologia:
Residencial

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Slideshow

Ficha Técnica

Exibir mais itens
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo