> > > Casa Azul

Casa Azul

Casa Azul
A reforma da Casa Azul, assinada pelo Estúdio Lava, valorizou seu exterior e ampliou as áreas de convivência, mas sem perder suas características originais da década de 1960 Foto/Imagem:Lauro Rocha

Traços simples e históricos

Situada em meio às árvores do bairro Alto da Lapa, em São Paulo, a Casa Azul transmite leveza e aconchego. Construída em 1960, ela foi reformada recentemente pelo Estúdio Lava, que, sem perder de vista as características originais e as demandas da moradora, priorizou volumes simples e econômicos.

A premissa foi valorizar o exterior e ampliar as áreas de convivência, mas sem perder a privacidade. “Procuramos reorganizar o layout da casa principal e da edícula [aos fundos], redimensionando seus espaços, aliado a um desenho que demarca os eixos que estruturam a morada e demonstram os novos setores”, conta o arquiteto Lucas Bueno.

O projeto foi organizado num terreno de 560 m² e estruturado em dois eixos perpendiculares que orientam o espaço e demarcam as intervenções, que foram feitas a partir de dois armários e duas pérgolas conjugadas que tocam ambas as construções, criando uma relação harmonizada entre os ambientes abertos e fechados.

Lar azul

A simplicidade da Casa Azul pode ser vista por todos os cantos, mas o destaque vai para a fachada preexistente. Seu desenho harmônico foi mantido para valorizar a arquitetura da década de 60, trazendo também um ar contemporâneo, e seus caixilhos foram restaurados. A cor azul – que deu nome ao lar – foi escolhida para renovar a aparência e contrastar com a coloração do piso (cinzae vermelho) e dos armários (vermelho).

Já para a edícula, que foi totalmente reformada, foi pensada uma fachada de linhas simples que utiliza caixilhos de ferro e vidro.

O arquiteto conta que o projeto possui desenho e estrutura funcional clara, eliminando “puxadinhos” e aproveitando todo o espaço do terreno. “Buscamos valorizar a residência existente, separando a edícula, que funciona como um pano de fundo do lote”, completa.

A cor azul – que deu nome à casa – foi escolhida para renovar a aparência e contrastar com a coloração do piso e dos armários Foto: Lauro Rocha

Construção econômica

Embora considerado uma dificuldade do projeto, o budget limitado foi um ponto importante para a repaginação. Como a moradora procurava algo que resolvesse todos os problemas técnicos e espaciais da ampla residência com um custo acessível, a solução foi usar materiais de baixo custo, como piso em cimento queimado, tijolo de demolição da área externa, reutilização de madeiras de demolição e estrutura mista de concreto e metal.

Os materiais existentes criaram um valor histórico agregado ao projeto e maior economia e sustentabilidade de recursos. Os armários que conectam os ambientes, além de serem funcionais, dão leveza e identidade ao local. Outro ponto interessante é o dormitório expansível da edícula, que confere maior versatilidade à casa. Com a incorporação da circulação, ele pode passar de 6 m² a uma suíte com 15 m².

Essa versatilidade espacial e a valorização dos espaços de convivência é um dos destaques da Casa Azul. Criou-se uma série de novos bancos em concreto e espaços para o convívio, como é o caso do deck na cobertura da edícula e da área para fogueira no jardim frontal.

Eixos perpendiculares

Os dois eixos perpendiculares foram pensados para orientar espaços e demarcar intervenções. O eixo longitudinal sinaliza a relação do jardim frontal com a casa, começando pela integração da sala de estar com a cozinha num mesmo ambiente, chegando à varanda, que leva até o bar e a edícula.

Bueno revela que a principal intervenção do projeto foi a demolição parcial da edícula, de maneira que ela se soltasse da casa, valorizando espacialmente os dois elementos. “Além disso, aproveitamos as madeiras da estrutura do telhado existente na edícula para a construção das duas pérgolas que fazem a transição entre as áreas externas e internas”, comenta.

Já o eixo transversal conecta a estrutura da casa e da edícula no terreno, amplia o vazio entre as duas, como se ficassem soltas, valorizando o corpo da residência, e redesenhando a edícula de forma linear, de modo a ocupar todo o fundo do lote.

Paisagismo

O paisagismo foi projetado de forma econômica, optando por espécies que necessitam de pouca manutenção Foto: Lauro Rocha

As reformas efetuadas ao longo do tempo deixaram a área externa compartimentada e sem charme. O jardim frontal estava abandonado e a área de churrasqueira comprimia a passagem para a edícula.

“O paisagismo foi projetado de forma econômica. Junto ao escritório Seiva Arquitetura e Paisagismo, optamos por espécies de plantas que necessitassem de pouca manutenção e que se desenvolvessem ‘sozinhas’. O segundo objetivo foi criar duas linguagens que conversassem bem: o jardim frontal mais seco e na lateral da casa um mais tropical”, conta o arquiteto.

Para o processo paisagístico, o paisagista utilizou uma estrutura vegetal de biomas nativos brasileiros, assemelhando-se às restingas. Também foram usadas espécies nativas como Clúsia, Bromélia Porto Seguro, Bromélia Imperial e outras predominantes no Cerrado e Mata Atlântica.

O jardim lateral recebeu algumas espécies nativas de Mata Atlântica, o Guaimbê e outras da Amazônia – Ciclanto e a Maranta Charuto. Foram utilizadas também duas plantas exóticas muito bem adaptadas ao clima regional e que funcionam perfeitamente na plantação: a Costela de Adão e a Liriópe Verde.

Veja, na Galeria da Arquitetura, outras casas que tiveram projetos econômicos:

Casa da Dica, por Roziane Faleiro

Casa das Canecas, por Hum Arquitetos

Casa dos Caseiros, por 24.7 Arquitetura Design


Escritório

Estúdio Lava1 projeto(s)

Local: SP, Brasil
Início do projeto: 2017
Conclusão da obra: 2018
Área do terreno: 350
Área construída: 220

Tipo de obra:
Residência
Tipologia:
Residencial

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Ambientes e Aplicações:

Slideshow Desenhos e plantas

Ficha Técnica

Exibir mais itens
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo