> > > Pavilhão do Una

Pavilhão do Una

Pavilhão do Una
O ripado vertical de madeira que se desprende do chão faz as honras do Pavilhão do Una, projetado pelo Apiacás Arquitetos Foto/Imagem:Leonardo Finotti

Mais que portaria; um pavilhão multiúso

Abraçado pela Mata Atlântica, o condomínio residencial Sertão do Una encontra-se num dos lugares mais privilegiados da praia Barra do Una, em São Sebastião, litoral norte de São Paulo. Com a intenção de melhorar a infraestrutura do local, os proprietários acionaram a equipe do Apiacás Arquitetos para projetar o Pavilhão do Una – uma ala de 240 m² que abriga portaria, sala multiúso e áreas de serviço. Além de estabelecer essas funções, o conjunto realçou a entrada graças ao ripado vertical de madeira que se desprende do chão.

O espaço exerce outras funções além de controlar a entrada e a saída de pessoas; ele é de fato um pavilhão de uso múltiplo, que oferece espaços para reunião dos moradores e ambientes de apoio para os funcionários Anderson Freitas

Segundo o arquiteto Anderson Freitas – que assina o projeto arquitetônico junto aos sócios Acácia Furuya e Pedro Barros –, o local no qual foi implantado o condomínio Sertão do Una era antes ocupado por uma antiga fazenda. Aos poucos o terreno passou a ser rateado entre os moradores e o residencial começou a tomar forma.

Espaço multiúso

Após algum tempo, a administração do empreendimento considerou a ideia de modernizar os espaços, determinando que um dos pontos mais importantes seria dar suporte à associção de moradores. Consequentemente, serviria como um marco de entrada, que Freitas evita chamar de portaria.

“O espaço exerce outras funções além de controlar a entrada e a saída de pessoas; ele é de fato um pavilhão de uso múltiplo, que oferece espaços para reunião dos moradores e ambientes de apoio para os funcionários”, explica o arquiteto.

Freitas enfatiza que, apesar de o condomínio ser uma área privada, ele possui ligação pública para as cachoeiras (garantida por lei). Isso reforça o conceito de que o Pavilhão do Una não é uma portaria, uma vez que estava proibido o controle de acesso. Apenas durante à noite o residencial está autorizado a monitorar quem entra e quem sai do local.

Estrutura de madeira pré-fabricada

Por ser resistente, leve e de fácil manuseio, a madeira foi escolhida pelos arquitetos como material predominante. De acordo com Freitas, ela suporta muito bem as condições agressivas do litoral, sobretudo, quando em contato com o ar; não com a água parada.

Definido o material, a ideia princial era construir um esqueleto de madeira leve, com fechamentos somente de brises e caixilhos em áreas estritatamente necessárias. Além de conceber a arquitetura e o mobiliário do pavilhão, o Apiacás também estava incumbido de administrar e executar a obra. Então, logo no início os profissionais já haviam determinado que a estrutura seria pré-fabricada.

Montada em três meses, a estrutura é composta por pilares e vigas em madeira cumaru, estrategicamente posicionados em eixos centrais para dar maior liberdade às portas pivotantes que compõem a entrada. Já os fechamentos se formam através de ripas de madeira intercaladas, que atuam como brises verticais, filtrando os olhares para o condomínio e para a vegetação do entorno. Além disso, peças metálicas se encarregam de conectar os elementos.

Circulação de ar

Diferentemente da madeira, o concreto é resistente quando em contato com o solo úmido (típico das regiões praianas). No caso do condomínio, ele é também alagadiço, uma vez que está próximo a um córrego. Foi pensando nisso que os arquitetos decidiram executar a fundação em concreto, elevando o piso a 50 cm da gleba.

O arquiteto Freitas acescenta que, além de evitar o contato da estrutura de madeira com o chão úmido, o levantamento do piso ajudou na questão do condicionamento térmico do projeto. Ao criar um vão, ele facilita a troca de ventilação natural.

Tal como os brises verticais, a cobertura (fabricada em telhas metálicas) intensifica esse processo, pois possui um desligamento contínuo em todo o perímetro que permite o fluxo de ar por convecção.

Por questões de segurança, a guarita segue o caminho contrário: fechada com vidro e equipada com ar-condicionado.


Escritório

Apiacás Arquitetos8 projeto(s)

Local: SP, Brasil
Conclusão da obra: 2013
Área construída: 240

Tipo de obra:
Condomínios de Casas
Tipologia:
Residencial

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Ambientes e Aplicações:

Slideshow
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo