> > > Centro de Pesquisa da EMC

Centro de Pesquisa da EMC

Centro de Pesquisa da EMC
Com projeto que atende a diversos requisitos ambientais, o Centro de Pesquisa da EMC possui estrutura em concreto e fachadas com vidros e brises Foto/Imagem:Celso Brando

Volumes sustentáveis

Localizado no Parque Tecnológico da UFRJ, na Ilha do Fundão, Rio de Janeiro, o Centro de Pesquisas da EMC, empresa líder mundial em big data, teve seu projeto arquitetônico assinado pelo arquiteto Paulo Musa. O prédio foi construído em um terreno plano de 3.000 m² e totalmente adaptado para o desenvolvimento de tecnologia para armazenamento, segurança e interpretação de grandes volumes de dados.

Para abrigar as diferentes atividades do Centro de Pesquisa da EMC, foi preciso setorizar. Um dos setores é utilizado pelas equipes de vendas dos serviços oferecidos para os clientes da companhia através do Briefing Center; outro local foi destinado para armazenamento de dados (equipamentos de T.I.), conhecido por Lab (laboratório). Por fim, foram criados escritórios para pesquisas e desenvolvimentos de softwares.

Vidros e brises-soleils

O edifício possui estrutura de concreto armado com lajes nervuradas. As quatro fachadas receberam tratamentos diferenciados, mas todas utilizam vidros low-e. Com exceção da sul, as fachadas também receberam brises-soleils, que formam um novo plano, mais externo que a pele de vidro.

“Os brises horizontais de alumínio têm seção elíptica e estão fixos sobre montantes de alumínio, que por sua vez estão apoiadas sobre platibandas de concreto”, explica Musa.

Selo LEED Gold

A proteção solar aplicada no projeto concedeu à empresa o Selo LEED Gold Foto: Celso Brando

A busca pelo selo LEED Gold orientou os profissionais na escolha da proteção solar adotada, que incluiu pérgola, brises, vidros low-e e os diversos planos de fachada. A pérgola de concreto armado e aço revestido por ACM foi usada sobre um terraço coberto com vidro. Trata-se de uma estrutura leve, pois apresenta um balanço de 6 m sobre o trecho envidraçado. Sua função é gerar mais conforto térmico e reduzir o uso de ar-condicionado.

O Centro de Pesquisas da EMC recebeu o certificado LEED Gold em 2015. Essa certificação foi um pré-requisito para a projeção exigido pelos idealizadores da obra. O arquiteto contou com a ajuda da consultora do núcleo de sustentabilidade da Concremat, Carolina Vergnano, e a simulação energética foi feita pela empresa Kema.

O projeto buscou, ainda, atender às regras do Parque Tecnológico da UFRJ quanto à área total edificável (ATE), que preveem 5 m de afastamentos frontais e laterais, 20 m de altura para gabarito e 50% de taxa de ocupação.

Soluções implantadas

Segundo Musa, como a Ilha do Fundão é pouco abastecida de transporte público, foram projetadas vagas de estacionamento de forma a garantir o conforto de funcionários e clientes do Centro de Pesquisa da EMC. Pilotis foram colocados para liberar a visão no pavimento de acesso e permitir uma boa circulação de ar.

Devido à implantação de soluções sustentáveis – como sensores de iluminação que controlam as luminárias dimerizáveis de acordo com a luz exterior; concregrama nas vagas do estacionamento para a reduzir a radiação solar; reúso de águas pluviais; e permeabilidade e jardinagem do terreno –, o projeto atendeu a conceitos de eficiência energética, acessibilidade, automação, construção econômica e sustentabilidade.


Escritório

Paulo Musa Arquiteto3 projeto(s)

Local: RJ, Brasil
Início do projeto: 2013
Conclusão da obra: 2014
Área do terreno: 3.000
Área construída: 3.500

Tipo de obra:
Centros empresariais
Tipologia:
Comercial

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Slideshow

Ficha Técnica

Exibir mais itens
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo