> > > O Ateliê de Cerâmica

O Ateliê de Cerâmica

O Ateliê de Cerâmica
Projetado pelo arquiteto Gabriel Castro em parceria com os proprietários e ceramistas, O Ateliê de Cerâmica é puro charme e se destaca por sua simplicidade e história Foto/Imagem:Gabriel Castro

Delicadeza para peças feitas à mão

Quando decidiram que era a hora de repaginar O Ateliê de Cerâmica, os proprietários e ceramistas Flávia Soares, Luiza Soares e Daniel Romeiro convidaram o arquiteto Gabriel Castro (MOBIO Arquitetura) para dar mais vida a esse charmoso espaço de fabricação artesanal, localizado na cidade industrial de Contagem, em Belo Horizonte (MG).

Tanto o projeto arquitetônico quanto o de interiores dialoga com as peças expostas no estúdio – conhecido pela delicadeza de seus trabalhos, como produtos utilitários e peças decorativas feitas à mão.

Onde tudo começou

O Ateliê de Cerâmica ganhou seu primeiro espaço em 2002, quando a então designer de interiores Flávia Soares decidiu explorar novas áreas e se dedicou à fabricação artesanal de cerâmicas. Em 2012, seus dois filhos decidiram se unir a ela para trilhar esse mesmo caminho.

Com o passar dos anos, em 2014, o estúdio passou por sua primeira ampliação e reforma, e em 2017 foi realizada a concretização da segunda intervenção. Um ponto interessante é que a obra foi feita em parceria com a fundadora Flávia Soares, e contou com a colaboração de Daniel Romeiro no desenho do mobiliário e de Luiza Soares em demais detalhes.

Primeira fase

Para o programa da primeira fase do projeto, em 2014, foi feita uma reorganização espacial em toda a metragem para reformular os fluxos de acesso e a ocupação da área externa, a criação de um café e a ampliação do espaço da loja e da cozinha. Além disso, foi erguida uma espécie de anexo multiúso para atividades diversas.

“Abrimos uma porta ampla na fachada principal para criar um acesso direto para a rua e mais convidativo. Deslocamos as paredes de alvenaria das fachadas laterais para aumentar a loja e a cozinha. O anexo construído foi conectado à fachada posterior. Fizemos também umas montagens especiais para exposições temporárias, pequenos eventos e aulas de yoga fora do horário comercial”, complementa o arquiteto.

Para que o anexo fosse inteiramente acoplado ao bloco principal, foi construído em estrutura metálica com fechamentos em vidro e telha termoacústica com forro de madeira pinus. As vedações transparentes o integram à vegetação externa e portas de correr liberam uma abertura completa para o belo jardim suspenso.

O espaço, bem agradável e ao ar livre, tem uma mesa coletiva sombreada pelo jardim suspenso Foto: Gabriel Castro

Seguindo pelo espaço está o pergolado da área externa, com um agradável espaço ao ar livre. A área tem uma mesa coletiva sombreada pelo jardim suspenso.

Plantas simples se destacam no projeto de paisagismo, como taioba (Xanthosoma sagittifolium), uma hortaliça com folhagens robustas, dinheiro-em-penca (Pilea nummulariifoliabrota), usado para forrar o talude que divide o projeto em dois níveis, e trapoeraba-roxa (Tradescantia pallida purpurea), que, logo na entrada, nasce entre os vãos da escada de cimento. “Consideramos o paisagismo um dos principais pontos do ateliê com o acervo de espécies como tilânsias, orquídeas e folhagens cultivados a mais de 20 anos”, conta Castro.

Um charmoso café foi instalado na varanda (com telha cerâmica existente que fica adjacente ao jardim suspenso). Lá, os clientes podem experimentar as peças d’O Ateliê de Cerâmica e aos sábados são realizados brunchs para agradar as visitas.

Segunda fase

Em 2017, a segunda intervenção teve como foco o espaço de produção, localizado na parte mais alta do terreno. A cobertura antiga foi demolida e deu lugar a uma nova edificação de montagem rápida e tipologia industrial, ampliando os espaços e otimizando as dinâmicas de produção.

O arquiteto explica que nessa porção mais alta do lote há um desnível de 55 cm entre dois patamares em função do arrimo de contenção. “Mantivemos essa diferença e tiramos proveito a fim de setorizar as etapas de produção da cerâmica artesanal, realizada pelos próprios ceramistas”, comenta.

No patamar superior foram abrigadas área de modelagem à mão, esmaltação, pias e armários. Já no inferior estão os fornos para as etapas de queima da cerâmica com sistema de exaustão do ar quente, um espaço dedicado ao acabamento das peças e outro para modelagem com torno.

Veja outros projetos do escritório MOBIO Arquitetura na Galeria da Arquitetura:

Sargas Restaurante, por Marcos Franchini Arquiteto, MOBIO Arquitetura e Haruf arquitetura/design

Escola Casa Fundamental, por Marcos Franchini Arquiteto, MOBIO Arquitetura e Haruf arquitetura/design


Escritório

MOBIO Arquitetura3 projeto(s)

Local: MG, Brasil
Conclusão da obra: 2017
Área construída: 564

Tipologia:
Comercial

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Ambientes e Aplicações:

Slideshow Desenhos e plantas

Ficha Técnica

Exibir mais itens
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo