> > > Centro Educacional Paulista - Arte e Ciência

Centro Educacional Paulista - Arte e Ciência

Centro Educacional Paulista - Arte e Ciência
O Centro Educacional Paulista – Arte e Ciência funciona como complementação das atividades de educação básica, englobando espaços como biblioteca, teatro, ateliers multifuncionais, cantina e pátio interno Foto/Imagem:Fonte JLAA

Um novo olhar

O objetivo do escritório Jaime Lerner Arquitetos Associados ao projetar o Centro Educacional Paulista – Arte e Ciência foi criar uma estrutura que possibilite a complementação das atividades de educação básica para os alunos da rede pública do Ensino Fundamental. “O projeto apresenta uma espacialidade diferente das escolas convencionais”, comenta o arquiteto Jaime Lerner.

Os ambientes presentes no programa são biblioteca, teatro, cantina, diversos ateliers multifuncionais e um pátio interno, que ajudam a estruturar o novo partido. São espaços nos quais as crianças podem desenvolver suas habilidades e apropriar-se do mundo de forma mais criativa e independente.

A construção possui estrutura modular que permite sua adaptação a diversas condições de topografia e demandas por maior ou menor número de alunos, conforme a localidade de implantação, uma vez que a ideia do Centro é replicar em diversos bairros da capital e cidades no interior do estado.

“Esta flexibilidade é viabilizada pela utilização de elementos estruturais padronizados, pré-fabricados e produzidos em série. Assim, agilizamos a montagem do Centro no canteiro de obras, como se ele fosse um grande Lego, de rápida execução”, conta o arquiteto.

O projeto nasce a partir de uma estrutura capaz de ser reproduzida e adaptada tanto em relação às questões físicas quanto ao programa. “Preparado para crescer modularmente, o Centro adapta-se de acordo com as necessidades do programa, da demanda local e da disponibilidade do corpo docente” explica.

Cheios e vazios se completam

Os cheios e vazios organizam os fluxos, permitem que as atividades sejam melhor distribuídas e dão visibilidade ao conjunto. Os espaços vazios favorecem a condição de empatia com o entorno, criando o sentido de pertencimento, de que o lugar pode ser frequentado por todos. “A linguagem arquitetônica, com suas cores, formas e materiais, identifica o lugar”, esclarece.

“A arquitetura também busca expressar essas ideias na organização dos cheios e vazios, das barreiras e permeabilidades”. Cheio no sentido de que alimenta e vazio porque propicia o espaço para a criação se expressar.

Componentes específicos

“Criamos três componentes específicos no projeto: a estrutura, os módulos e os armários” relata. A estrutura modular oferece a ‘grelha’ estrutural com fechamentos variados para abrigar programas diversos e possibilitar a adaptação a diversas situações e demandas. Sua volumetria assemelha-se a um andaime, uma vez que o conjunto acontece a partir da montagem de elementos interconectados.

Os módulos, com dimensão-padrão, são os ateliers onde acontecem as mais diversas atividades criativas e, por isso, foram projetados para permitir esta flexibilidade com toda a infraestrutura necessária. As janelas e portas padronizadas otimizam a execução e criam uma identidade para esses espaços.

Os armários, módulos menores, armazenam as ferramentas utilizadas nas atividades realizadas nos ateliers – material de pintura, equipamentos para atividades físicas, dança, marcenaria ou mesmo tablets.

Ao projetar o Centro Educacional Paulista – Arte e Ciência, o escritório pretende que a construção seja um marco urbano, uma referência de identidade na região onde for inserido.


Escritório

Jaime Lerner2 projeto(s)

Local: SP, Brasil
Área construída: 8.000

Tipo de obra:
Centros Educacionais

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Slideshow

Ficha Técnica

Exibir mais itens
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo