> > > Casa Vila Madalena I

Casa Vila Madalena I

Casa Vila Madalena I
Unir interior e exterior torna-se um desafio quando o terreno fica em plena metrópole, rodeado por grandes construções. A solução foi apostar em muros ajardinados, pérgolas e aberturas de vidro protegidas por brises Foto/Imagem:Leonardo Finotti

Transparência velada


A casa se integra interna e externamente com luz, plantas, concreto e céu Monica Drucker

Heterogêneo por natureza, o bairro da Vila Madalena, zona Oeste de São Paulo, reúne construções de características, usos e gabaritos diversos entre si. Há prédios altos, casas térreas e comércios locais, desde cafés, bares e restaurantes até livrarias, escolas, ateliês e salas de exposição. Em meio a essa diversidade, o escritório Drucker Arquitetura implantou uma residência com 412 m² em um terreno com 14 m de frente e 30 m de fundo.

A casa urbana tem uma transparência velada. Em formato de ‘L’, o rico desenho oferece pérgolas em terraços. No lugar de muros altos e claustrofóbicos, há um grande brise de madeira com divisa para rua e muros laterais com jardins, preservando a visão do entorno. Panos de vidro em locais estratégicos preservam a insolação e ventilação. “Ela se integra interna e externamente com luz, plantas, concreto e céu”, descreve a arquiteta Monica Drucker.

Escolha do terreno

Projetada para recém-casados, a morada faz divisa com um alto edifício residencial. A arquiteta entrou em cena desde a escolha do lote. No total foram três anos e meio entre a compra do terreno e o término da construção. “Enquanto a residência tomava forma, o casal teve três filhos e aceitou a sugestão da arquiteta de que o projeto deveria possuir integração total e objetiva com o entorno. Pensávamos em promover o uso de soluções e materiais que integrassem, mas, ao mesmo tempo, oferecessem privacidade aos moradores, otimizando os espaços internos", reflete Monica Drucker.

Interagindo com o exterior


Pensávamos em promover o uso de soluções e materiais que integrassem, mas, ao mesmo tempo, oferecessem privacidade aos moradores, otimizando os espaços internos Monica Drucker

Desenhada em ‘L’, a casa com dois pavimentos ocupa todo o terreno. No térreo, a construção divide-se em ambientes sociais, de lazer e serviço. São salas de estar, jantar, home theater e cozinha; churrasqueira, forno a lenha, sauna, jardins e pátios; além de depósitos, dependência de empregados e garagem. No primeiro andar, há três amplas suítes, sala íntima, varanda e uma passarela interior, que integra esses ambientes.

Ao contrário do que acontece normalmente, o espaço usado para as refeições cotidianas é a área da churrasqueira e não a copa, ou cozinha. A arquiteta conta que esta era uma das exigências do casal. “Então, para facilitar e organizar as refeições, inserimos um passa prato para a cozinha. E se chegarem amigos e visitas, basta ampliar o lugar com a abertura total das portas que integram o jardim lateral e a sala. Isso permite o uso do espaço mesmo nos dias de festa”, conta.

Excepcionalmente, nesse projeto, a integração dos ambientes internos e externos foi feita não por causa de uma bela paisagem verde, mas por um motivo prático. “Era necessário criar espaços, abrir caminhos para a luz e o ar. A solução foi ajardinar as laterais, permitindo que a casa se abra para o próprio verde”, conta Monica.

Casa Vila Madalena I - Transparência velada
Os planos de alvenaria apresentam a mesma textura do exterior – uma argamassa cimentada – proporcionando a ideia de continuidade, de dentro para fora Foto: Leonardo Finotti

Eficiência térmica

Nos ambientes de pé-direito duplo, grandes esquadrias de vidro permitem ver as duas laterais da casa. Uma delas está protegida por brises – o que possibilita uma boa entrada de luz, mesmo com o grande edifício posicionado no fundo do terreno. O pavimento superior, por sua vez, comporta as três suítes unidas por uma grande varanda.


Era necessário criar espaços, abrir caminhos para a luz e o ar. A solução foi ajardinar as laterais, permitindo que a casa se abra para o próprio verde Monica Drucker

Design e materiais de acabamento

Para que haja boa entrada de iluminação, a pequena área externa ganhou uma pérgola recoberta de vidro. O local resguarda os dormitórios da vizinhança e ainda é útil para os pequenos brincarem em segurança. Para chegar às suítes, uma passarela entre a lateral da escada e a sala íntima serve como acesso, já que é ladeada por guarda-corpos de vidro.

Os materiais usados têm também o propósito de confundir a noção do que é interno e externo. Para isso foram usados vidros que se refletem uns nos outros. Os planos de alvenaria apresentam a mesma textura do exterior – uma argamassa cimentada –, proporcionando a ideia de continuidade, de dentro para fora. “Procuramos inverter os usos consagrados de certos materiais frequentemente usados em residências.

Assim, nas salas, o piso utilizado é o concreto usinado com resina; enquanto próximo ao jardim, escolhemos a madeira cumaru para o deque. A pedra moledo, presente na garagem, passa pelo hall social e chega à sala de jantar. A decoração segue o design moderno, com linhas retas e muita luz. Peças de design e obras de arte permeiam o interior da residência.


Produtos utilizados nesta obra

Escritório

Drucker Arquitetos Associados13 projeto(s)

Local: SP, Brasil
Início do projeto: 2011
Conclusão da obra: 2011
Área do terreno: 420
Área construída: 412

Tipo de obra:
Residência
Tipologia:
Residencial

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Ambientes e Aplicações:

Slideshow Desenhos e plantas

Ficha Técnica

Exibir mais itens
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo