> > > Jardim Lobato

Jardim Lobato

Jardim Lobato
A inspiração nas formações geológicas multicoloridas, a busca por uma implantação respeitosa e conectada com o entorno. Essas foram as diretrizes que permearam o desenvolvimento do Jardim Lobato Foto/Imagem:Yayoi Hayakawa

Jardim Lobato

A inspiração nas formações geológicas multicoloridas, a busca por uma implantação respeitosa e conectada com o entorno, além do desejo de prover aos usuários o melhor aproveitamento de uma vista panorâmica. Essas foram algumas diretrizes que permearam o desenvolvimento do Jardim Lobato pelos arquitetos do escritório Arquitetura Nacional. A torre composta por studios, apartamentos e unidades não residenciais ocupa um terreno situado em um dos pontos mais elevados da Vila Madalena, no topo de um morro que divide as bacias do rio Tietê e do rio Pinheiros, de onde é possível avistar quase toda a cidade.

Em um local com tais atributos, a arquitetura tomou a natureza como principal referência, criando um edifício que invoca sensações e emoções semelhantes às das pessoas que escalam uma montanha e conquistam o seu topo.

Assim surgiu uma torre com visual imponente e desenho atemporal, com todas as suas fachadas tratadas com igual importância. O volume é escalonado, diminuindo em direção ao topo até chegar a uma cobertura que abriga uma ampla praça, um espaço com topografia e vegetado para descompressão e convívio dos moradores. Nós nos encantamos com as simbologias do topo da montanha. Por isso, é no topo do prédio que colocamos esse local tão especial”, revela a arquiteta Paula Otto.

A montanha se manifesta no Jardim Lobato em formas, materialidade, cores e texturas. O conceito está presente desde o embasamento bastante vegetado, projetado visando uma conexão amigável com a rua e com o olhar do pedestre. Outras decisões também colaboram para estabelecer uma relação harmoniosa entre a torre e quem passa pela rua. Entre elas, o recuo do controle de acesso e as empenas com texturas mais espessas e com rasgos estrategicamente inseridos para aumentar a permeabilidade visual sem comprometer a privacidade dos moradores.

Para viabilizar a instalação de janelas piso-teto – tão fundamentais em um local com vistas generosas –, as lajes de concreto são bem marcadas e se projetam, atuando como abas. Em clara referência às paletas das camadas de sedimentação rochosas, esses elementos estruturais têm tons alaranjados, acobreados e azulados combinados de modo aleatório, como ocorre na natureza.

A imprevisibilidade e a espontaneidade do mundo natural também se mostra na disposição das esquadrias que, diferente do convencional, não são perfeitamente alinhadas, escapando à rigidez típica das produções humanas.

Veja outros edifícios residenciais na Galeria da Arquitetura:

BioCorporate Rebouças, por Perkins&Will

Edifício Manga / Vila Santa Thereza, por Laurent Troost Architectures

Edifício Aruá, por FGMF


Escritório

Arquitetura Nacional14 projeto(s)

Local: SP, Brasil
Início do projeto: 2021
Conclusão da obra: 2022
Área construída: 13.317

Tipo de obra:
Edifícios Residenciais
Tipologia:
Residencial

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Slideshow
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo