> > > Casa Manga

Casa Manga

Casa Manga
A Casa Manga buscou não apenas preservar a natureza do entorno, como aproveitar tudo que ela poderia lhe oferecer – sombras, brisas, fruta colhida no pé. Seu projeto foi assinado pela arquiteta e proprietária Samira Siman Foto/Imagem:Yorran Nogueira

Morada de arquiteta

“Projetar a própria casa é um grande desafio!” Foi com essa frase que a arquiteta Samira Siman começou a contar do processo de criação da sua morada, localizada em um condomínio fechado em Cachoeiro do Itapemirim, no Espírito Santo.

Eu vi muito mais que o forte declive. Imaginei ali uma casa, uma mangueira e um balançoSamira Siman

A morada foi construída em um lote de 890 m², com uma mangueira quase no centro e um desnível de 20 metros. Mesmo com a descrença de que era possível construir algo na superfície, Samira resolveu tirar proveito da depressão. “Eu vi muito mais que o forte declive. Imaginei ali uma casa, uma mangueira e um balanço”, confidencia.

Segundo a arquiteta, que está à frente do escritório Samira Siman Arquitetura, o objetivo era extrair o melhor da topografia existente, aproveitando ao máximo a ventilação cruzada e a iluminação natural.

A mangueira foi preservada e adquiriu até papel de protagonista, dando origem ao nome ao projeto. “Como a casa não tem muros, os acessos são fáceis e convidativos para que os vizinhos continuem a pegar manga do pé e volta e meia desçam a rampa da garagem para comer um bolo e tomar café”, diverte-se Samira.

A partir da proposto de preservação da natureza e de um desenho compacto e funcional, a Casa Manga nasceu como se sempre estivesse ali. “A ideia era que a casa fosse uma grande moldura para paisagem.”

Por dentro

Como a paisagem faz parte das fachadas, foram priorizados materiais neutros, textura rústica nas paredes, alumínio preto nas esquadrias e muito vidro e madeira. “A escolha de poucos materiais foi justamente para dar brilho à protagonista, a natureza”.

Além da fachada frontal, Samira explica que a casa possui mais três, cada uma com sua particularidade. Enquanto a da frente é mais simples, na posterior dois volumes avançam em balando sobre uma laje e dois grandes painéis de madeira protegem os quartos da incidência solar, visto que estão voltados para o sol da tarde.

Área gourmet com vista para a piscina Foto: Yorran Nogueira 

Fugindo do convencional, as duas suítes e outras duas demi-suítes ficam no nível da rua, junto com o acesso principal para o pavimento social, no subsolo. A chegada se dá pela sala de jantar com pé-direito duplo e bastante vidro – utilizado em todo o projeto. No ambiente social estão sala, jantar e cozinha rodeados por portas de vidro. Esses ambientes contam com vista panorâmica para a piscina e dois grandes eucaliptos do lado de fora. Ao todo, a residência tem 16 cômodos, contando com depósito e reservatório de água de chuva.

O projeto de interiores é desenhado em tons verdes e terrosos, assim como o ambiente natural onde a casa está inserida, com toques minimalistas. Os móveis assinados pelos designers Bruno Faucz e Aristiu Pires merecem destaque.

Orçamento enxuto

Todos os ambientes foram dimensionados para que se enquadrassem no orçamento enxuto do projeto. Por esse motivo, a sala de jantar e estar foram unidas e ganharam pé-direito duplo com fechamento de vidro. “O maior diferencial do projeto é o aproveitamento da iluminação natural, sendo assim, durante o dia não é necessário acender as luminárias.”

Por ser a última laje antes da cobertura e por se tratar de uma cidade com temperaturas elevadas, o pavimento dos quartos foi desenvolvido com pé-direito de 3,80 m para auxiliar no conforto térmico. As esquadrias foram feitas sob medida, para explorar bem os grandes vãos.

Segundo a arquiteta, tirar partido da natureza não significou somente preservá-la, mas extrair ao máximo o que ela pode oferecer, como iluminação natural, conforto térmico, água para reúso e energia solar. Além do grande pomar ao fundo da casa, com horta e galinheiro.

A casa também conta com sistema de captação solar, para aquecimento de água e geração de energia.


Escritório

Samira Siman Arquitetura1 projeto(s)

Local: ES, Brasil
Área do terreno: 890

Tipo de obra:
Residência
Tipologia:
Residencial

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Ambientes e Aplicações:

Slideshow
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo