> > > A Casa Brasileira

A Casa Brasileira

A Casa Brasileira
O escritório Debaixo do Bloco Arquitetura reformou A Casa Brasileira, de 1988, reativando o seu uso e a sua identidade Foto/Imagem:Joana França

Resgate arquitetônico

O projeto arquitetônico d’A Casa Brasileira, com 3.800 m² de área no Lago Sul de Brasília/DF, foi originalmente concebido em 1988 pelo arquiteto Zanine Caldas. Anos depois, em 2016, o escritório Debaixo do Bloco Arquitetura recebeu a missão de requalificar a residência.

“O nosso objetivo foi resgatar a identidade da casa planejada por Zanine e, ao mesmo tempo, propor melhorias arquitetônicas, como aproveitar melhor a luz natural, tornando-a mais clara. Foi uma reabilitação e reativação do uso da casa”, explica o arquiteto Clay Rodrigues.

Reforma sutil

O objetivo dos arquitetos foi manter os traços de Zanine e, ao mesmo tempo, melhorar sutilmente a arquitetura. Para tanto, mantiveram a estrutura aparente em madeira a fim de preservá-la como um dos principais elementos estéticos. Essa característica é consequência do desenho do telhado, cuja estrutura é definida com harmonia entre os pilares, vigas e cobertura da residência.

Uma das poucas modificações propostas foi o acréscimo de novas esquadrias na fachada, tornando toda a casa translúcida.

“Nossa linguagem é clean e atemporal. Não gostamos de modismo, excesso de revestimentos e afins. Portanto, a inspiração para o estilo da casa é uma linguagem contemporânea e modernista”, comenta o arquiteto.

Trabalhar os layouts de ambientes foi importante para que não existisse desperdício de área. Um layout funcional e, ao mesmo tempo, que preenchesse todos os espaços, foi a premissa que norteou os arquitetos.

Existem dois mezaninos no projeto: um compõe as áreas coletivas, que, além de ganharem uma nova vista, também foram integradas: sala de estar, sala de jantar e cozinha agora ficam interligadas. A conexão é visual e dinâmica. O outro mezanino é isolado e conta com suíte e escritório.

Vidro, madeira e ardósia

O excesso do vidro por todos os ângulos é proposital, pois é esse material que proporciona uma harmonia entre a arquitetura da casa e a natureza que a cerca. Também permite que os ambientes passem por uma transformação constante. As paredes de vidro fazem a casa ter cores diferentes conforme o tempo passa, mostrando novos cenários ao longo do dia.

A Casa Brasileira - Resgate arquitetônico
O uso de vidro por todos os ângulos foi proposital, pois é ele que proporciona harmonia entre a arquitetura da casa e a natureza que a cerca Foto: Joana França

Foi mantido o piso original do projeto, feito de ardósia na cor verde. Quando as portas estão abertas, tem-se a impressão de não existir limite entre o interior e o exterior, ganhando-se assim uma grande varanda.

As madeiras, que devido ao verniz haviam perdido a cor, voltaram ao seu tom natural. As esquadrias, antes fixas, agora basculam como mais uma opção de iluminação natural e de ventilação. Aliadas ao beiral do telhado, trazem também um conforto térmico ideal para os ambientes internos.

Mobiliário e decoração

O mobiliário dá ênfase para a arquitetura modernista e o design brasileiro, com tons crus misturados com pedra e tecidos naturais. Peças de arquitetos renomados como Niemeyer e Lina Bo Bardi preenchem o espaço junto com designers contemporâneos.

À beira da piscina, os pufes gigantes de cor azul contrastam com o piso de pedra Pirenópolis, típica do Cerrado. E, por fim, há a bela área verde que rodeia toda a construção, rica em palmeiras e árvores frutíferas.


Escritório

Debaixo do Bloco Arquitetura9 projeto(s)

Local: DF, Brasil
Conclusão da obra: 2016
Área construída: 3.800

Tipo de obra:
Residência
Tipologia:
Residencial

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Ambientes e Aplicações:

Slideshow
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo