> > > Vila Residencial Caminho das Árvores

Vila Residencial Caminho das Árvores

Vila Residencial Caminho das Árvores
Abraçada por grandes e variadas espécies frutíferas, a Vila Residencial Caminho das Árvores resgata os conceitos de modo de vida comunitária. Além de Roberto Moita, Marcos Cereto, Vitor Pessoa e Marcelo Borborema assinam a arquitetura Foto/Imagem:Divulgação Roberto Moita Arquitetos

Moradias amazônicas

No terreno de 5 mil m², na zona central de Manaus, a Vila Residencial Caminho das Árvores resgata os conceitos de modo de vida comunitário, abraçada por grandes e variadas espécies frutíferas. Além de Roberto Moita, Marcos Cereto, Vitor Pessoa e Marcelo Borborema assinam a arquitetura de casas do condomínio

À procura de sustentabilidade e pertinência, o projeto de arquitetura e urbanismo de Roberto Moita adotou como premissa a racionalização da construção e a busca pelo condicionamento ambiental natural. Com área média de 200 m², 18 lotes abrigarão casas singularmente concebidas por um grupo de arquitetos convidados.

A partir do estudo sobre tipos de moradia contemporânea que possam se adaptar às particularidades climáticas da Amazônia, cinco casas-modelo exemplificarão os princípios do empreendimento. Além do traço urbanístico, Moita é também autor das moradas 12 e 18. Vitor Pessoa assina a 11, Marcelo Borborema a 13 e Marcos Cereto a 15.

Área de lazer interna. Por Vitor Pessoa Foto: Divulgação Roberto Moita Arquitetos

Com infraestrutura planejada a fim de permitir a preservação das árvores existentes – as protagonistas do projeto –, os 18 lotes se voltam para uma única rua sem saída, urbanisticamente traçada para criar sinergia entre a vizinhança.

O reduto de majestosos jambeiros, mangueiras e cajazeiros causa o adensamento de generosas sombras complementares, condição relevante para o ambiente amazônico. Diante deste cenário, o desafio imposto na arquitetura das casas consiste em respeitar e integrar áreas privadas às de preservação, propiciando um paisagismo que traz identidade ao conjunto.

Para completar a densidade verde foi escolhido o pau pretinho, uma espécie nativa da floresta amazônica. Conhecido por suas raízes pivotantes e copa frondosa, é capaz de se adaptar facilmente à atmosfera urbana.

Com a finalidade de reduzir conflitos de todos os galhos e raízes, a fiação elétrica terá instalação e passagem subterrânea. Viabilizando manutenções e favorecendo o microclima desejado, pavers de concreto serão utilizados na pavimentação da vila manauara.


Escritório

Roberto Moita Arquitetos2 projeto(s)

Local: AM, Brasil
Início do projeto: 2020
Área do terreno: 5.000
Área construída: 3.665

Tipo de obra:
Condomínios de Casas
Tipologia:
Residencial

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Slideshow
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo