> > > Cais do Sertão Luiz Gonzaga

Cais do Sertão Luiz Gonzaga

Cais do Sertão Luiz Gonzaga
Referência urbana e cultural do Recife, museu mostra a essência e a riqueza do Sertão nordestino por meio da obra de Luiz Gonzaga Foto/Imagem:Fred Jordão

Homenagem ao Rei do Baião

Não há como dissociar Luiz Gonzaga e Sertão. Aspectos históricos intrínsecos os unem no museu que retrata a trajetória do icônico cantor e compositor, o Rei do Baião, dentro do contexto cultural nordestino. Um local que reúne vasto acervo e exposições sobre o estilo de vida sertanejo, sua relevância e influência para o Brasil e o mundo.

Próximo à beira da água, quase junto ao mar, o museu está localizado exatamente onde nasce a cidade do Recife, o que lhe rendeu o nome de Cais do Sertão.

Do velho galpão a edifício moderno

Sua implantação tira proveito de uma antiga área destinada aos galpões do porto. Um deles dá origem ao partido. Como explica o arquiteto Marcelo Carvalho Ferraz, “trata-se de um galpão que estava condenado, por isso resolvemos reconstruí-lo. Foi preciso colocá-lo abaixo e montá-lo novamente. É o espaço dedicado à exposição permanente do museu”.

Ao lado situa-se um novo edifício responsável por abrigar exposições temporárias, salas de aula para cursos, auditório para show e cinema, além de um restaurante sertanejo na cobertura com um grande jardim para combater a forte incidência solar da região.

“O telhado com camadas de proteção térmica ajuda bastante e viabiliza o restaurante com vista para o mar e a cidade. No grande terraço, um projeto interessante de paisagismo faz uso de camada de terra, plantas e tudo o mais. Isso reduz a carga térmica na laje e deixa o ambiente interno mais arejado”, retrata Francisco de Paiva Fanucci.

Concreto pigmentado

A execução reaproveita parte dos materiais originais, como a estrutura metálica da cobertura e alvenaria, embora a recomposição priorize o uso de concreto aparente, mantendo a linguagem dos materiais utilizados. Seu predomínio encontra explicação na performance estrutural, que permite grandes vãos livres, a resistência e durabilidade ao longo do tempo. Este último atributo é fundamental por se tratar de ambiente agredido pela maresia e corrosão. Mas há também a questão estética, que remete à simplicidade. No final, o concreto aparente atua simultaneamente como estrutura, fechamento e acabamento.

“Nas novas intervenções dentro do galpão, utilizamos o concreto pigmento em amarelo bem forte, muito quente. É uma tentativa de buscar a proximidade com a luz do Sertão, a tonalidade do solo e da pedra”, conta Marcelo.

Sombra e ar fresco

O bloco grande e elevado em concreto criou uma generosa área sombreada para o pedestre que caminha pela cidade. Um volume que revela a presença do oceano, do mar ao lado, quase como um convite para se aproximar da água.

“Essa área sombreada grande tem 60 metros de vão e 6 metros de altura. É uma grande sombra, na verdade, promovida como ato de gentileza do edifício para a região. Ou seja, é possível estar a beira do mar, sentindo a brisa na sombra de Recife. Realmente é um gesto bem amistoso do empreendimento com a cidade”, diz Francisco.

Cobogós para conforto térmico

As duas fachadas do edifício são contornadas e protegidas por um véu de cobogós. Sua escolha recai, inicialmente, por tratar-se de um elemento peculiar da arquitetura pernambucana e, depois, pela sua capacidade de filtrar a luz, servindo para amenizar o impacto da pedra amarela de concreto na cidade.

Marcelo explica que os 2,2 mil cobogós com a galhada das árvores secas são uma referência à região nordestina seca. “Quando a pessoa se embrenha no Sertão, ela enxerga tudo através do filtro dos galhos. Mas tem outra proposta, que é a de proteger os equipamentos do museu, todos de alta tecnologia e multimídia. Assim como as obras de arte, eles exigem controle de umidade e temperatura. Para isso, nos espaços internos, especificamos sistemas de ar condicionado”.

Escritório

Brasil Arquitetura18 projeto(s)

Local: PE,Brasil
Início do projeto: 2012
Área do terreno: 12000
Área construída: 7000

Tipo de obra:
Centros Culturais

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

SlideshowDesenhos e plantas
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo